terça-feira, 1 de setembro de 2009

A Infidelidade

Este é um tema bastante difícil para todos os que desejam abraçar os seus aspectos deserdados. Se está numa relação em que o seu companheiro/a lhe é infiel, de que maneira pode ser uma projecção sua?... Porque é mesmo. Sempre. Mas não é fácil descobrir este aspecto na nossa sombra.

Em primeiro lugar é importante que compreenda o significado da palavra. Só assim conseguirá resgatar este aspecto. Volto a afirmar, este trabalho é útil apenas ás pessoas que têm uma reacção inapropriada ao tema ou que estão a passar neste momento por esta situação no seu relacionamento.

Há muitas maneiras de ser infiel. Um candidato a ministro que promete algo e não cumpre é tão infiel como a mulher que tem um amante. Infidelidade é isso mesmo: não cumprir! É também atraiçoar.

Para que comece a ter uma ideia de como pode abraçar este aspecto deixo-lhe o exemplo de um querido amigo. Como esta é uma situação que envolve uma componente legal tomei a liberdade de alterar todos os nomes.

O meu amigo Paulo tem um problema com o seu cunhado, João! Mas é um problema mesmo dos pesados. O Paulo fica alterado, odeia na verdade, o que o cunhado faz à esposa! Fica revoltado! Porque o João é infiel à sua esposa.

Esta reacção é uma clara demonstração da sombra do Paulo. A atitude apropriada seria encarar a situação, falar com o cunhado e a esposa dele e a partir daí, o Paulo não tem que se envolver no que quer que seja da relação do cunhado e da esposa! Mas não! O Paulo tem sempre a mesma reacção!

Quando a nossa reacção é muito forte isto é uma indicação da nossa sombra a lutar para vir cá para fora. E se não a deixarmos vir, se a reprimirmos, ela irá causar-nos danos.

Estava ontem a falar com a esposa do meu amigo Paulo e ela contava-me precisamente esta situação da reacção do marido ás infidelidades do cunhado. Entretanto o Paulo chega a casa e a esposa passa-lhe o telefone para ele me cumprimentar. Nesta altura estava eu a pensar: “de que maneira é que o Paulo é infiel?...” Porque se tem sempre esta reacção ele próprio também está a ser infiel, mas não consegue ver a sua própria infidelidade. Precisa de a projectar para assim conseguir ficar consciente.

A primeira coisa que o Paulo me diz ao telefone é: “Olá! Cá continuamos, ainda sem a escola...”

Ora bem, o Paulo sempre teve um sonho: ter uma escola muito especial! De cada vez que estou com ele falamos do assunto. Os olhos dele brilham! Fala com um entusiasmo e alegria arrebatadores! E foi aqui que eu descobri a sua projecção. Aviso-o que a forma como se consegue que a pessoa se torne consciente da sua sombra, dos seus aspectos deserdados, não só não é pacífica como é preciso ter plena consciência de todos os semblantes utilizados como máscara para encobrir a sombra. Digo isto para que não pense que o processo é simples e eficaz todas as vezes. Não é. Corre o risco de magoar a pessoa (e eu sou bom a magoar as pessoas quando se trata de desmascarar a sombra), e tem que saber como ajudar a pessoa a ultrapassar a sombra, a ver o ouro para além da escuridão.

Depois das primeiras palavras do meu amigo Paulo o que eu disse foi isto (em tons de acusação, como se estivesse a apontar o dedo publicamente para que todos pudessem ver e ouvir): “Paulo, tu és um grande traiçoeiro! E mais, não só és traidor como infiel! Infiel!” O Paulo começou a rir-se (sinal positivo de que a sombra está a vir até à consciência). “És o maior infiel que conheço pessoalmente! Meu Deus! Tu és mesmo infiel!”

E não precisei de continuar (o Paulo já fez o Processo da Sombra). A voz dele mudou de tom quando afirmou: “pois sou... há anos que ando a falar na escola e...”

Ao que respondi: “...E ainda não fizeste nada! Tu estás a ser infiel ao teu maior sonho! Estás a trair todo o teu potencial e provavelmente o teu propósito de vida!”

Espero apenas que este exemplo lhe seja útil. Se está a passar por uma situação de infidelidade na sua relação terá que se questionar de que forma é que a outra pessoa é uma projecção sua. De que maneira faz a mesma coisa, mas escolhe colocar um rótulo diferente.

Lembre-se que todas as suas experiências no mundo exterior, todas, só podem acontecer a partir daquilo que você possui no seu interior. O mundo exterior é sempre uma expressão do que está dentro de nós.

6 comentários:

  1. Então isto tem a ver com o Sabotador interno? Quando não conseguimos agir de acordo com os nossos sonhos e manifesta-se desta forma ?
    obg
    Angela

    ResponderEliminar
  2. De certa forma, sim. Quanto mais activo o sabotador em nós, maior a probabilidade de reagirmos de maneira inapropriada a este aspecto do ser humano. Mas o sabotador leva-nos ainda a aspectos de medo e raiva!

    ResponderEliminar
  3. Acredito que quando encontramos alguém, lemos um livro e determinada frase fica retida, etc, é porque temos uma lição a aprender daí.

    Umas vezes encontramos outras somos encontrados!

    Houve uma altura em que também lia sobre psicologia, mas gosto muito mais de observar e tirar as minhas conclusões.

    Os caminhos do subconsciente são fantásticos, não são?

    ResponderEliminar
  4. Não podia estar mais de acordo, Adoa! Para mim a verdadeira psicologia aprende-se observando-nos e observando as pessoas à nossa volta!

    ResponderEliminar
  5. Sou mesmo uma sabotadora... :))
    Estou há meses à procura desta resposta e leio sempre o blog, mas este post escapou-me não sei bem como... e hoje andava por aqui à toa e dou de caras com... a resposta!!
    hehehehe
    Obrigada Emídio!!

    ResponderEliminar