quarta-feira, 13 de junho de 2018

As coisas boas da vida....


Nos últimos trinta ou quarenta anos temos vindo a criar esta ideia de que a vida só vale a pena se formos felizes. Tudo é vendido sob a premissa que iremos ser mais felizes se obtivermos este produto ou aquele serviço. Procuramos o prazer de estar vivos incessantemente.

Esta busca é a causa de muitas depressões e actos de agressividade. Queremos filhos bem comportados, alimentos saudáveis, companheiros que nos fazem felizes, tempo de lazer fantástico, amigos incríveis, carros fabulosos, empregos sem stress mas que nos encham a alma.

A sensação de prazer, como a sensação de tristeza, mágoa, frustração, perda, alegria, entusiasmo, etc. é uma emoção passageira. Em realidade é mais do que uma emoção passageira. É a recompensa por termos feito algo. Não é possível experienciar emoções positivas sem antes termos passado por uma emoção negativa.

Este escapismo das emoções negativas apenas serve para nos sentirmos mais e mais negativos, tristes, sem alento.

Queremos acordar pela manhã cheios de energia e felizes por estar vivos. Mas verificamos que não temos a casa de sonho, ou o companheiro de sonho, ou os filhos de sonho, ou o emprego de sonho. E começamos a luta pelo prazer de estar vivos. Lutamos com a cara ensonada (queremos aquela expressão de vida radiante no espelho), lutamos com a cozinha por ser pequena, lutamos com o filho porque não está a sorrir e pronto a tomar o pequeno-almoço. Lutamos com o companheiro por não ter ajudado nas lides da manhã com um sorriso de orelha a orelha. Depois lutamos com o trânsito por não andarmos à velocidade que queremos. Lutamos com a colega de trabalho porque não elogiou o vestido novo. Lutamos com o chefe porque não nos deu o crédito suficiente pelo trabalho de ontem. Quando chegamos a casa ao fim do dia continuamos a lutar.

Se pudéssemos abrandar poderíamos observar que o desassossego matinal pode ser apenas uma sensação que nos empurra para cuidar de nós e dos filhos, por exemplo. E depois de o ter feito, surgirá a sensação de ter realizado algo. Sentir-nos-emos satisfeitos. A sensação de desespero que surge por estarmos presos no trânsito pode levar-nos a sair de casa mais cedo, evitando os engarrafamentos da hora de ponta, e que terá como resultado uma sensação de bem-estar ao chegar ao trabalho mais cedo e com tempo para tomar um café com calma. O sentimento de revolta ao chegar a casa e ver o companheiro de trombas pode levar-nos a preparar uma refeição deliciosa que irá produzir a sensação de auto-valorização e realização por cuidarmos daqueles que amamos.

Quando compreendemos que emoções negativas são a força que nos impele à acção, então o prazer, o deleite, o estar bem onde estou, surgirá naturalmente. Sem a necessidade de recorrer ao último modelo de iPad ou máquina de fazer gelados em 20 minutos.

Mas enquanto acreditar que o prazer é importante, irei continuamente procurar uma fuga dos momentos que são a fonte do prazer.

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Compreender as emoções


As nossas emoções surgem a partir de uma parte do cérebro inconsciente, reactivo, responsável por manter-nos vivos. O Córtex Frontal do cérebro é o responsável por interpretar e processar essas emoções e actuar de acordo com o significado que lhes atribui. Ou seja, não respondemos a uma situação de acordo com o que sentimos mas sim de acordo com o significado que atribuímos ao que sentimos.

Nos últimos trinta anos temos assistido a um cada vez maior número de apologistas do positivismo, do pensamento positivo, da emoção positiva. Isto causa muitos danos a uma mente minimamente saudável.
A realidade é que sem emoções ditas negativas não seríamos impelidos à acção.

A emoção negativa é a forma de o corpo, a vida, nos impulsionar à acção. Se sinto um tédio, vou passear. Se sinto nojo de um alimento, não o como. Se determinado emprego me deixa sem energia ou enraivecido, mudo de emprego. Se me sinto triste, cuido de mim, das minhas necessidades.

A emoção dita positiva é o que resulta após ter entrado em acção, depois da emoção negativa.

Um exemplo. Sinto-me magoado no local de trabalho e desrespeitado. Estes sentimentos são a forma do nosso inconsciente nos impulsionar à acção. Posso aprender algo sobre o que me causa o mal-estar. E posso até abandonar o emprego, procurando outro onde me sinta melhor. Ao abandonar o emprego irei sentir uma sensação de alívio. Isto é sinal de que estou no caminho certo. Depois encontro um trabalho onde há respeito e valorização e sinto-me feliz. O sentir-me feliz é a recompensa por ter entrado em acção aquando do sentimento de mágoa e desrespeito. E é um sentimento temporário, irá desaparecer.

Daí que não é possível ser feliz. Porque a felicidade é a emoção que surge naturalmente após ultrapassar um desafio ou realizar algo que nos é querido. A felicidade é um momento. Até ao próximo desafio.

Então, para começar a compreender as emoções negativas, que na realidade são positivas, a pergunta a colocar-me é: o que significa isto para mim?

Notem como, perante uma situação difícil aprendemos a colocar a questão “porquê?” Porquê que algo me acontece é a pergunta que me colocará no lugar da vítima. Desde sentir-me menos que os outros, a acreditar que não mereço ou a vida é injusta, o porquê não resolve as nossas emoções negativas, apenas as reforça.

Pegando no exemplo anterior. Se no trabalho observo que não sou respeitado e surge o sentimento de mágoa, posso perguntar-me “o que significa para mim manter-me neste emprego onde não sou respeitado?”. Poderão surgir vários significados. Significa que eu não me respeito, significa que acredito que tenho que sacrificar o meu amor-próprio por um salário, significa que ninguém me apoia, significa que não presto.... Depois posso ainda questionar cada um destes significados. Por exemplo, a questão do “não presto”. Observo que sei cuidar de mim, ajudo amigos, faço voluntariado, etc, etc, etc. Isto mostra-me que os significados que estou a atribuir à situaçãoo inicial são todos baseados em mentiras. E este é o ponto de partida para a mudança. A emoção passa da mágoa para o alívio, e daqui para a coragem, por exemplo. Por sua vez, a coragem leva-me a entrar em acção e procurar outro emprego. E ao encontrar esse emprego surge a alegria. A alegria é a recompensa pelo trabalho efectuado. Querer permanecer nesse estado de alegria é uma loucura.

Não é possível ter experiências de felicidade ou alegria sem ultrapassar desafios que provocam estados emocionais negativos.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Descomplicar a Vida


-->
Até há alguns anos a nossa vida era pautada por bons e maus momentos. Sabíamo-lo. Era assim.
Nos últimos anos, em parte devido à expansão das redes sociais, já não é assim.
Todos os nossos “amigos” falam de energia positiva, de ser feliz, da imperatividade de viver uma vida a dois, de preferência com um sorriso contínuo estampado nas fuças.

Há uns dias uma “amiga” postava no Facebook que era toda ela energia positiva. Comentei que tal era ridículo. O cérebro está em constante actividade eléctrica, em que é necessária uma carga positiva e outra negativa. Disse-lhe ainda que se não houvesse noite não haveria legumes nem fruta. Claro que esta “amiga” me “desamigou” – eu era a energia negativa que ela não precisava!

Esta ideia de ser feliz e ir atrás dos nossos sonhos e fazer só o que nos alegra e dá prazer está a levar muita gente a depressões profundas. Criam um ciclo vicioso. Acreditam que deveriam fazer um trabalho maravilhoso, e encontram-se numa fábrica de produção de cotonetes. Sentem-se mal por não estar a trabalhar na fábrica de cabos eléctricos para Ferraris. E depois sentem-se mal por se sentirem mal. E acreditam que se sentem mal porque o trabalho não lhes proporciona prazer. Um ciclo vicioso que é alimentado por esta ideia do “Tu és capaz!” ou “Nada é impossível”.

A realidade é que há uma pessoa que escreve um livro que vende milhões de exemplares. Isto não significa que todos irão ter o mesmo sucesso de vendas ao escreverem a história da abelha que se apaixona por uma alface.

Comparamos a nossa vida com aquilo que vemos nas redes sociais e isso leva-nos a estados de ansiedade e/ou depressão.

Esta é a realidade. Quando a vida não acontece como queremos e a consideramos negativa, querer que seja diferente irá apenas aumentar o sofrimento. O oposto também é verdade. Ou seja, quando a vida não acontece como queremos e aceitamos que de momento é assim, leva-nos a um estado de paz onde a mudança é possível.

Podemos não gostar do trabalho que fazemos, e no entanto este permite comprar alimentos. Em vez de sonhar com a viagem ao Polo Norte, podemos estar felizes por ter comida na mesa. Sim, há um pobre desgraçado que vai ao Polo Norte, e desta vez não nos tocou a nós. É só isso.

Há a vida real, com um nascer do sol radiante e rosas lindas e homens e mulheres maravilhosos e empregos de sonho, e com tremores de terra que matam milhares, e doenças degenerativas e acidentes de automóvel. E depois há a vida das redes sociais onde apenas é permitido ser-se feliz, viver na luz (não sei que raio é isto mais mantenho um espírito de curiosidade em relação ao assunto) e onde os casais são tão perfeitos, mas tão perfeitos, que nem sequer fodem.

Em vez de buscar um propósito de vida, talvez seja mais saudável buscar um copo de água. E este copo de água é o propósito de vida por enquanto. Querer algo grandioso digno de ser publicado no Facebook é o mesmo que ensinar um gato a ladrar. Por mais que nos esforcemos a ensinar a criatura a ladrar, o resultado será sempre um “miau”.

O mesmo acontece quando procuro quem sou. É uma busca louca e sem fim. Por um motivo muito simples: o nosso cérebro está biologicamente construído para a adaptabilidade, ou seja, continuamente tenta adaptar-se à situação presente. Logo, quem eu sou muda continuamente, de acordo com o ambiente e situação que se apresenta.

Querer ou desejar aquilo que não está a acontecer é o caminho da vítima. Há uma diferença entre planear e criar estratégias e o impossível desejo de que a vida aconteça como queremos. Caso não tenham reparado, a vida não nos pede autorização. Vive-se.

Muita gente acredita que é possível controlar a vida. Não é. Eventualmente a vida encarrega-se de no-lo mostrar.

Isto não significa tomar uma atitude passiva perante o que acontece. Pelo contrário, significa aceitar o que acontece e definir estratégias para alterar o que acontece sem uma expectativa de que tem que acontecer como queremos. Um exemplo: A vida é mais fácil quando aceito a dor de dentes. E posso torná-la mais fácil indo ao dentista. Chorar que não deveria ter uma dor de dentes não irá eliminar a cárie. Queixar-me à amiga que me dói um dente não irá curar a dor. Enviar luz e amor à cárie não a fará dissolver-se. Dentista. Dentista é a solução prática.

Em vez de tentarmos alcançar uma vida perfeita, porque não ver a perfeição tal como se apresenta neste momento?

quarta-feira, 21 de março de 2018

Uma vida amorosa em cinco passos simples


-->
1. A melhor resposta a qualquer tipo de provocação: ok.
Sempre que alguém tem uma opinião diferente da nossa não significa que a nossa opinião é a válida nem a verdade absoluta. Em realidade, cada um de nós tem uma experiência única da vida e, por conseguinte, uma opinião diferente. Quando alguém acredita que estamos errados, ou que somos estúpidos, ou que não sabemos, está apenas a informar-nos de como nos experiencia na sua história. E, de acordo com a visão do outro, é natural nós estarmos errados ou sermos estúpidos. Afirmar um “ok” significa apenas que respeitamos a forma como o outro nos percepciona. Não ficamos mais bonitos ou feios, não iremos receber mais ou menos salário, não ficaremos cegos. Em realidade, por responder um “ok” a única coisa que acontece efetivamente é a nossa paz.

2. Se o que vou dizer não acrescentar bondade à vida do outro, nem for informação útil ao outro, há uma forte probabilidade de eu não estar a ouvir-me.
Antes de dizer o que quer que seja ao outro verifico a bondade ou utilidade daquilo que vou informar. Isto semi-exclui o humor, cuja bondade está no efeito causado: riso. Quanto daquilo que dizemos ao longo do dia é realmente útil ao outro? Queixar-me não provoca qualquer solução a menos que me queixe à pessoa certa. E se for à pessoa certa não é queixa é um pedido de ajuda. Falar mal dos outros revela apenas o meu carácter. Se durante o dia me acontece algo desagradável, falar sobre o assunto a outros é apenas espalhar o que é desagradável. Antes de falar, ouço-me. Muitas vezes aquilo que tenho para dizer ao outro é algo que eu preciso de ouvir.

3. O que os outros pensam, fazem e dizem não me diz respeito. Só me diz respeito aquilo que eu penso, faço e digo.
Não é mesmo da minha conta o que acontece na vida dos outros. Se alguém aparenta estar mal, posso voluntariar-me para ser de ajuda, mas não posso fazer aquilo que só o outro pode fazer. Ajudar sem que me tenha sido pedida essa ajuda irá trazer consequências negativas a ambos. Exceptuam-se os casos em que não é necessário sequer pedir ajuda. Ver alguém cair e ajudar a levantar-se, afastar alguém de um animal perigoso, levar ao hospital alguém a precisar de cuidados médicos imediatos. Isto são as situações em que não é necessário esperar um pedido de ajuda. Quando alguém aparenta estar triste ou magoado, frustrado ou zangado, é uma boa ideia respeitar o estado de espírito da pessoa. A pessoa neste estado encontra-se a digerir qualquer situação, da melhor maneira que é capaz. E se nós pudermos ser de ajuda, ela irá solicitar essa ajuda. Se o não fizer, bem, a realidade é que não somos bruxos para adivinhar.

4. Perante uma crítica posso defender-me, e dar início ao conflito, ou posso respeitar a crítica do outro como uma opinião apenas.
Sempre que alguém me critica ou aponta o dedo está em realidade a ver-se em mim. Está ainda a mostrar-me aspectos meus que eu mesmo desconhecia. Se alguém me acusar de eu não o/a respeitar e eu responder imediatamente, estarei a desrespeitar a opinião dessa pessoa. Críticas são sempre construtivas na medida em que me ajudam a compreender melhor o mundo do outro e o papel que eu desempenho nesse mundo. Não tenho que mudar a opinião do outro acerca de mim para eu me sentir bem. Em realidade é mais fácil sentir-me bem quando não tento mudar a opinião do outro.

5. Permitir um espaço entre aquilo que acontece e a reação aquilo que acontece.
Este é, na minha experiência, o ponto mais importante. Vivemos num estado reativo. Continuamente a reagir a tudo e todos. Esta atitude não permite que se crie um espaço para observar, contemplar, assimilar o que acontece. Muitas vezes a tristeza é uma emoção que nos visita a pedir-nos para ficarmos sós, para meditar, para compreender uma situação do ponto de vista do todo ao invés do ponto de vista do individuo. Um exemplo simples disto: alguém me dizia que não conseguia viver sem o marido. Pedi-lhe para observar a realidade. Quem é que lhe dava banho pela manha, quem a vestia e lhe dava de comer, quem a levava para o trabalho e fazia o trabalho dela? Ou o jovem que afirmava não conseguir viver sem a mãe que havia partido há dez anos. E no entanto, este jovem continuava vivo ao fim de dez anos sem a mãe. Ao criarmos um espaço, afastamo-nos das necessidades inventadas pela mente e podemos obter discernimento. As necessidades da mente são três apenas: aprovação, validação e amor. Sem estas necessidades, há um espaço onde é possível experienciar a paz.