segunda-feira, 8 de março de 2010

As mentiras que nos ensinaram sobre O Perdão

Fomos educados para “perdoar” de uma maneira que não só não é saudável como ainda por cima nos deixa impotentes.

Antes de poder sequer pensar em perdoar é imperativo livrar-nos das falsas noções que envolvem o perdão. Há muitos “mestres” espirituais que ajudam a perpetuar estas falsas noções, desde os representantes de igrejas até líderes no campo do desenvolvimento pessoal. Muitas pessoas, por exemplo, que praticam reiki e outras terapias energéticas, carregam com elas, consciente ou inconscientemente, um peso de vergonha e culpa porque no fundo julgam continuamente outros, depois julgam-se a si mesmos pelo acto e passam ao seu perdão pessoal. Intelectualizando todo o processo e aumentando a sombra da vergonha. Se não acredita no que digo, pare alguns minutos e tome nota do número de vezes que as mesmas situações se repetem na sua vida.

Em primeiro lugar, Perdoar não significa Esquecer. Virar a página não significa esquecer. Em realidade, pedir a alguém para esquecer é o mesmo que pedir um sacrifício de auto-amputação. Esquecer um evento do passado é exigir esquecer uma parte de quem somos. Sem esse evento do passado não seríamos quem somos hoje. O caminho do perdão exige mesmo uma boa memória e uma visão clara da ofensa. Sem estes dois aspectos é impossível uma mudança plena ao nível do coração em relação à pessoa que se pretende perdoar. O perdão ajuda a memória a curar-se.

Em segundo lugar, Perdoar não é Negar o que aconteceu. Quando alguém nos magoa mesmo a sério, a nossa primeira linha de defesa é negar o que nos está a acontecer. Já reparou que quando alguém lhe conta sobre um evento dramático a sua primeira reacção tende a ser “não acredito!” A negação é como uma parede que construímos para evitarmos a dor e todas as emoções que nos deprimem. Ao negarmos a situação de mágoa estamos a evitar o stress emocional, ao mesmo tempo que perdemos noção da realidade nua e crua. Nesta situação é impossível perdoar porque não existe conscientemente a necessidade de curar a ferida emocional. É óbvio que o poder do perdão não pode ser experienciado enquanto a vítima recusar ver a ofensa e o sofrimento resultante. Mesmo que o perdão seja motivado por um amor incondicional, se este exigir a amputação ou repressão de uma parte do EU (a parte magoada) isto poderá trazer consequências desastrosas. As pessoas que directamente ou indirectamente ensinam a perdoar exigindo que se faça de conta que nada aconteceu, ignorando o turbilhão de emoções derivadas do evento, são perigosas. Simplesmente não podemos ignorar a culpa, a vergonha, o medo e a raiva resultantes de uma situação que nos magoa. Estas emoções, quando não são expressas, criam tumores emocionais altamente tóxicos no nosso organismo.

Em terceiro lugar, Perdoar é muito mais que um acto de Vontade. Mas é assim que ensinamos as crianças a perdoar! “Pede desculpa ao teu irmão!”, “Tens que desculpar a tua professora, foi sem querer.”, “Dá um beijinho à mãe, ela castigou-te mas foi para o teu bem.” Tudo isto exige um perdoar forçado, carregado de força de vontade. A maioria dos educadores, incluindo os pais, tratam o acto de perdão como uma fórmula mágica capaz de corrigir qualquer erro cometido contra a nossa integridade. Esta é uma forma de perdoar superficial e bastante artificial. É exigido a ausência de emoções que são demasiado humanas. Perdoamos com palavras saídas da nossa boca mas nunca do nosso coração. Ao perdoarmos desta forma somos perseguidos por um sentimento de culpa incapaz de ser expresso. O erro está em transformar um acto poderoso como o perdão num simples gesto da vontade consciente, em vez de ser a culminação de uma experiência de aprendizagem. Em realidade o processo do perdão leva o seu tempo. O tempo que leva depende da profundidade da mágoa, das reacções da pessoa que nos magoa e das capacidades psíquicas da pessoa magoada. O perdão mobiliza todas as nossas faculdades: sensibilidade, coração, inteligência, juízo, imaginação e por aí adiante.

Em quarto lugar, o Perdão não pode ser dado como uma Ordem. O perdão é uma atitude de liberdade plena, ou então não existe. Apesar disto há uma tentação muito grande, especialmente entre líderes espirituais, a forçar as pessoas a perdoar. O perdão não pode nunca ser forçado. Ou o sentimos ou não. Na tradição cristã, por exemplo, há uma obrigação para perdoar. O Pai-nosso (uma oração que pessoalmente considero bela) é interpretada de uma maneira literal na afirmação “Perdoai-nos assim como nós perdoamos a quem nos ofendeu”. Uma aberração. Aqui há um “tens que perdoar” implícito. “Temos” que perdoar quem nos ofende. É capaz de imaginar a tempestade interior causada no confronto entre o desejo de perdoar e a hesitação provocada por sentimentos e emoções que gritam por ser ouvidos? Sentimentos como a revolta, a culpa, a vergonha, o medo. É um erro reduzir o perdão, ou qualquer outra prática espiritual, a uma obrigação moral. Muitas pessoas parecem não compreender que o perdão de Deus não é condicionado. A visão que muitos têm de Deus, neste aspecto, é muito triste: um mercenário calculista que segue o preceito “olho por olho e dente por dente”.

Em quinto lugar, o Perdão não nos leva de volta ao tempo anterior à ocorrência da Ofensa. Para muitas pessoas o perdão significa a reconciliação com quem nos magoa. Muitos líderes espirituais ensinam que o perdão só é autêntico quando somos capazes de voltar a um tipo de relacionamento, com a pessoa que nos causou a dor, igual em tudo ao que era antes da ofensa. Como se o acto de perdoar consistisse em reatar relacionamentos. Como se o voltar ao relacionamento pré-ofensa fosse o resultado do perdão. Em realidade o perdoar não tem nada a ver com a reconciliação. Pode haver perdão sem nunca suceder a reconciliação. Nós podemos perdoar outro mesmo na sua ausência, mesmo que a pessoa tenha já morrido. E é óbvio que nestas situações a reconciliação é impossível. Em situações de abuso sexual e violência é normal ajudar a vítima a cortar qualquer tipo de relacionamento com o ofensor. Isto não quer dizer que o perdão não possa acontecer. É errado pensar que uma vez que consigamos perdoar alguém, a nossa relação com o ofensor tem que voltar ao que era antes. Depois de fazer uma omelete, é capaz de voltar a colocar os ovos dentro das respectivas cascas? E depois de fazer um pão, é capaz de voltar a colocar a farinha dentro do saco? É impossível voltar atrás depois de sermos magoados. Ou bem que tentamos convencer-nos que nada aconteceu, e restabelecemos a relação novamente mas baseando-nos numa mentira, ou tiramos partido do conflito para restabelecer o relacionamento com uma atitude mais sólida, com alicerces mais profundos.

Em sexto lugar, o Perdão não significa ignorar os nossos Direitos. Muitas pessoas acreditam que perdoar um criminoso, um pedófilo, um marido infiel, é encorajar a pessoa a repetir a ofensa. Isto é misturar justiça com perdão. É querer julgar a pessoa e a acção cometida como sendo a mesma coisa. Nunca o é. Mas discutir este tópico iria levar-me para muito longe do perdão. Direi apenas que enquanto a justiça, em si, tem como objectivo restabelecer os direitos de quem é prejudicado de uma maneira bastante objectiva, o perdão depende sobretudo na vontade de deixar partir a mágoa e querer viver livre. Há pouco tempo estive com uma cliente desesperada por perdoar o ex-marido que a tinha trocado por outra mulher e ainda por cima lhe tinha deixado milhares de euros em dívidas. Estava a matar-se silenciosamente porque queria muito perdoar o ex-marido e esquecer as mágoas do passado. Comecei por lhe dizer que deveria arranjar um bom advogado. Tinha que exercer os seus direitos. E só depois poderia decidir se queria perdoar o ex-marido. É que o perdão não é uma luta contra a injustiça. Ficarmos calados perante a injustiça é encorajar o ofensor a repetir a ofensa. Veja o que acontece com os pedófilos que a igreja católica esconde no seu seio.

Em sétimo lugar, o Perdão não significa Desculpar aquele que ofende. Já ouviu expressões como “a culpa não é dele, não sabia mais...”? Perdoar alguém não é o mesmo que desculpar. Desculpar significa absolver a pessoa de toda a responsabilidade moral. Se isto fosse assim, ninguém jamais seria responsável pelo que quer que fosse. Ninguém seria responsável pelas suas acções. As desculpas falsas têm muitas vezes como objectivo tornar a nossa dor menos agonizante. Convencer-nos que aquele que nos ofende não é responsável torna-se mais fácil do que aceitar que o ofensor magoou-nos conscientemente e de sua livre vontade. Desculpar quem nos ofende pode ser uma navalha de duas pontas: por um lado alivia o nosso sofrimento , por outro mostramos desdém para com o ofensor. Em realidade estamos a dizer “tu és tão burro que não podes ser responsabilizado pelas tuas acções”. Desta maneira estamos perante uma situação de humilhação em vez de libertação.

Em oitavo lugar, o Perdão não é sinonimo de Superioridade Moral. Alguns actos de perdão servem mais para humilhar do que para libertar. Criamos uma situação de arrogância moral em que aparentemente somos superiores aquele que nos ofende. Mascaramos a nossa necessidade de controlar os outros, de exercer poder sobre outros, num falso perdão. Escondemos assim a nossa profunda humilhação. Possuídos pela vergonha e rejeição, tentamos proteger-nos. Tentamos assim cobrir a nossa humilhação fazendo de conta que somos o “deus” generoso capaz de misericórdia. Uma forma pouco digna de se ser superior ao ofensor e ao mesmo tempo mostrar que este é inferior. Este falso perdão perpetua a relação dominador-dominado. O perdão que serve apenas para mostrar superioridade moral é praticado por três tipos de profissionais: primeiro os “perdoadores” compulsivos que à mínima percepção de ofensa estão já a perdoar tudo e todos. Depois há os que perseguem a culpa. Tornam a situação causadora de dor ainda mais complicada para poder impressionar os outros com os seus grandes gestos de perdão. Por último temos as vítimas perpétuas, em que as esposas de homens alcoólicos são um exemplo perfeito. Esperam simpatia dos amigos e conhecidos porque sacrificam as suas vidas em prol destes homens e perdoam-nos de cada vez que se embebedam. Longe de ser uma manifestação de poder, o perdão verdadeiro é sobretudo um acto de força e coragem interiores. Nós precisamos de força interior para reconhecer e aceitar a nossa vulnerabilidade, em vez de a camuflar com a aparência da benevolência.

Por fim, Perdoar não significa deixar as coisas nas mãos de Deus. Os pseudo-espirituais adoram proferir a famosa expressão “só Deus pode perdoar”. Isto é proferido pelas pessoas incapazes de perdoar seja quem for. Deus não faz por nós aquilo que nós temos que fazer por nós. Uma vez ouvi um participante num seminário da sombra afirmar que lhe era muito fácil perdoar:”se alguém me faz mal eu peço a Deus para o perdoar. Não tenho que me envolver com toda a porcaria de sentimentos negativos, Deus é perdão e perdoa os que me magoam.” Isto pode parecer uma atitude de fé mas levanta questões sérias sobre a saúde mental do indivíduo que concede assim perdão. Em vez de se responsabilizar pela sua vida, a pessoa entrega toda a responsabilidade a Deus. Não quero que me interprete mal: acredito que o elemento espiritual do perdão é essencial ao acto de perdoar, também acredito que temos que nos preparar para receber a Graça de Deus no plano humano. O perdão depende tanto da acção divina como da humana. A Natureza e a Graça não são antagonistas, antes complementos.

A questão básica é simples: porque temos que perdoar quem nos faz mal?

Porque enquanto não o fizermos iremos carregar em nós o peso do ofensor. Só estaremos livres a partir do momento em que o perdão é sentido a partir do coração.

3 comentários:

  1. ,,o seu texto é belíssimo,,as máscaras que o ego usa são aqui expostas ,,uma por uma,,em palavras simples e ideias inteligíveis,,,resta-me pensar no mobil da ofensa/agressão: porque fui/somos agredidos?,,,qual o papel do ofensor ?,,o que em nós despoleta o comportamento da agressão?,,,mas,,,e uma criança inocente??,,,como entender?,,,aprecio muito o seu trabalho,,possa ele ser sempre útil..!:)) um abraço Emí!!:)))

    ResponderEliminar
  2. Nada como a própria experiência para nos tornar sábios, tens textos adoráveis, parabéns!!!!

    ResponderEliminar
  3. Adoro a tua escrita. Tens aqui uma admiradora. Não é nova, mas quase!

    ResponderEliminar