quarta-feira, 12 de julho de 2017

A dificuldade em ouvir é igual à dificuldade em ficar calado

Observo com cada pessoa que surge no meu gabinete que a primeira coisa em que foco a atenção é a sua capacidade de ouvir. Numa escala de um a dez, em que um é a capacidade de ouvir de um recém-nascido e 10 é um buda, a maioria das pessoas encontra-se num um ou dois.

Para ouvir outros é necessário ter em conta alguns pontos.
Primeiro, saber que o que o outro diz é a sua experiência pessoal. Não temos que fazer nada com essa experiência. Nada! Mesmo! O mundo não vai acabar nem iremos perder um membro por ficarmos calados.
Segundo, saber que não temos que nos defender do que quer que seja que o outro diz. Mais uma vez, o mundo não vai acabar nem nos vão arrancar a cabeça por não nos defendermos.
Terceiro, saber que o outro está unicamente a partilhar as suas experiências, independentemente de serem positivas ou negativas. E sim, o mundo não acaba por ficarmos calados.
Quarto, saber que partilha é mesmo isso: ouvir o outro sabendo que não temos que fazer nada com a informação. É uma partilha apenas.
Há certas expressões que uso com muita frequência quando ouço outros.
“Estou a ouvir-te.”
“Compreendo o que estás a dizer.”
“Conta-me mais, não estou a compreender.”
“Ok.”
“És capaz de ter razão, e a minha experiência é diferente da tua.”
“Permites que te diga como eu vejo as coisas?”

Outro aspecto importante de ouvir os outros é criar um espaço de silêncio entre aquilo que o outro diz e a minha resposta. Dar-me tempo para processar o que foi dito. Um exemplo. Há algum tempo uma cliente dizia-me que não confiava no meu trabalho. Ouvi-a. Ela não confiava no que eu estava a fazer. No silêncio criado a seguir a este comentário surgiram pensamentos como estes:

“Será que ela tem razão?”, “Serei eu capaz de confiar no meu trabalho?”, “O que significa isto de não confiar no meu trabalho?”. O que fui observando é que esta cliente tinha toda a razão em não confiar no meu trabalho. Eu não mando nem controlo a vida. Faço o que sou capaz. E no processo de cura há tantos factores envolvidos que jamais seria capaz de os controlar ou eliminar ou acrescentar. Em realidade o meu trabalho limitava-se a mexer em pontos específicos dos pés, como me foi ensinado. Se este mexer em pontos iria trazer os resultados esperados ou não ultrapassava-me. Descobri ainda que eu também não confiava no meu trabalho. Por vezes os resultados são os esperados, e por vezes não são. Descobri que eu e esta cliente estávamos em concordância. E a minha resposta, que surgiu do silêncio criado, foi simplesmente, “sabe, por vezes eu também não confio no meu trabalho, e adoro quando as pessoas concordam comigo, bem-haja.” Isto não foi dito em tom sarcástico nem cínico. Foi apenas uma constatação.

Muitos conflitos entre nós surgem ainda do facto de não sabermos estar calados. Antes de abrir a boca para dizer o que quer que seja, questiono-me acerca do que vou dizer. As duas perguntas que me coloco são estas:
- O que vou dizer é útil a esta pessoa?
- O que vou dizer acrescenta bondade à vida desta pessoa?

Noto que também uso com muita frequência a expressão “Permites que te diga o que penso acerca disto?” ou “Posso falar-te da minha experiência?” – e se a resposta for um não, respeito-a e mantenho o silêncio.

Outro aspecto importante acerca da comunicação é saber quando falar. Não falo se a outra pessoa estiver alterada, se estiver nervosa ou irritada. Sei, pela minha experiência pessoal, que quando estamos num estado alterado não conseguimos mesmo ouvir os outros. Nestas situações limito-me a concordar com o que quer que seja que a outra pessoa trás para partilhar.

Um exercício que considero belíssimo é este: passa um dia inteiro a perguntar-te, antes de falar, se o que vais dizer é uma informação útil ao outro ou se acrescenta bondade. Irás experienciar muitos momentos de silêncio. E se o silêncio te incomodar, pergunta-te “o que quero que esta pessoa pense acerca de mim?”. É que muito, muito mesmo, daquilo que dizemos é para manipular o que os outros pensam acerca de nós. Fica atento, observa-te.

Sem comentários:

Enviar um comentário