segunda-feira, 3 de setembro de 2018

A muDANÇA da Vida


Aprendemos muito cedo a procurar a segurança. Como se a nossa vida dependesse de um mundo seguro onde não há imprevistos, onde a vida só age depois de nos pedir autorização.

Aprendemos ainda muito cedo que é importante sermos pessoas de quem os outros gostem. Agradamos aos outros para comprar a sua aprovação e validação. E neste processo esquecemos quem somos e o que queremos experienciar.

A tecnologia parece vir a piorar este estado de coisas, ao tornar tudo mais rápido, mais eficiente, sem falhas aparentes. Queremos algo, e queremos ainda hoje.

O remédio para uma vida amorosa começa por abrandar. Abrandar o suficiente para observar a vida a viver-se. As estações a mudar. O céu com nuvens, sem nuvens, claro e escuro. Os carros que passam e o espaço que fica quando não passam. Há o sem-abrigo e o homem de negócios, a criança que falta à escola e a mulher que vende flores. Uma buzinadela aqui, um grito ali, um abraço acolá.

A vida vive-se sem nos pedir autorização. Damo-nos crédito quando a vida acontece como desejamos, e sofremos quando assim não é. Acreditamos que podemos exercer um poder qualquer sobre a vida, desde a lei da atração até à bomba atómica. E não exercemos qualquer poder.

A consciência de que não exercemos qualquer poder sobre a vida é o que nos conduz de volta ao nosso estado natural de curiosidade, de resolver situações complexas, de descobrir algo de útil à humanidade. A curiosidade só é possível quando perdemos necessidade de segurança, quando sabemos que é ok falhar, e que iremos falhar muitas vezes.

Ninguém tem que gostar de nós nem do nosso trabalho. Isso compete-nos a nós. Ninguém tem que nos elogiar ou agradecer. Isso compete-nos a nós.

A vida vive-se, dança-se. Gosto de ti, e daqui a pouco já não gosto, e depois volto a gostar. Quereres que eu goste sempre de ti é pedir-me o impossível. E no entanto, eventualmente, é possível gostar sempre de ti e de tudo o que tu fazes e dizes, e danço na liberdade de saber que posso afastar-me. Nada a ganhar e nada a perder.

Esta dança com a tristeza, a mágoa, a alegria e a depressão, a euforia e a frustração. Todas as emoções bem-vindas. Cada uma traz consigo uma mensagem.

A tristeza pede-me que cuide de mim, a mágoa pede-me para abrir mão de tudo o que está presente, a alegria pede-me que celebre a vida, a depressão avisa-me que há muito tempo que não cuido de mim.

E a vida dança-se. Assim. Em mudança constante. Saber que ao longo do dia vão ser muitas as vezes que estou errado e que nada é como eu interpreto irá provocar-me riso. Esta mudança que me coloca em stress apenas para me avisar que o que quer que seja que esteja a pensar não corresponde à realidade.

A realidade é feita de bom e mau, bonito e feio, certo e errado. Querer que a realidade seja apenas metade é sofrer e parar de dançar, embora a vida continue a dançar-se.

É que a vida não nos pede autorização para se viver.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Ciência e Pseudociência

As redes sociais trouxeram consigo alguns benefícios, sobretudo no que toca a partilha de informação. Contudo esta partilha de informação si...