terça-feira, 19 de outubro de 2010

O Receber está no Dar

Descubro que um dos principais motivos porque a humanidade sofre deve-se a nunca se ter observado sem expectativas.

Acreditamos que os outros nos devem algo. E sofremos.

Acredito que os meus pais deveriam amar-me mais, e sofro. Acredito que não deveria haver uma crise, e sofro. Acredito que os meus amigos deveriam ser simpáticos, e sofro. Acredito que Deus deveria fazer as coisas “à minha maneira”, e sofro.

Os meus pais amaram-me sempre. Não como eu queria, mas como foram capazes. Quando é que eu decidi tornar-me ditador? “Agora vão amar-me à minha maneira, caso contrário não serão dignos do meu amor!” – consegues ouvir a arrogância? E se é assim tão fácil para os meus pais amarem-me como eu quero, poderia eu ser o exemplo e amá-los como eles querem?

O nosso sofrimento é feito de pensamentos por questionar. Mas só 100% das vezes. Olhamos para a realidade e decidimos que deveria ser diferente. Diferente de acordo com os padrões de quem? Ah, dos meus! Eu sei o que é melhor para o mundo, e se todos fizeram o que eu digo, iremos ser todos felizes. Consegues ouvir a arrogância? Se é assim tão fácil ser feliz, poderias dar o exemplo? Mostra-nos como é, e não exijas nada em retorno.

Os pensamentos que nos fazem sofrer são crenças que nunca questionámos.

Os políticos deveriam ser honestos e olhar pelo povo. – Desde quando?
Os pais deveriam amar os filhos incondicionalmente. – Desde quando?
Os funcionários públicos deveriam ser atenciosos e simpáticos. – Desde quando?

Se é assim tão fácil ser simpático, poderias mostrar-me isso num dia em que só consigo ser antipático? Se é assim tão fácil ser honesto e olhar pelos outros, poderias mostrar-me isso dando sem esperar um retorno e parar de fingir? Se amar incondicionalmente é assim tão fácil, poderias amar o familiar que te caluniou? Mostra-me que és capaz de fazer aquilo que esperas de mim.

Observo que muitas pessoas ainda não aprenderam a receber. Dão algo e ficam à espera do retorno. E sofrem.

Quando te dou um abraço, eu recebo no momento em que te dou o abraço. Se tu decidires não devolver esse abraço, mesmo que decidas afastar-te, nada podes fazer em relação ao que eu recebi já de ti: o abraço que te dei. Recebi o que tinha a receber no momento em que te dei. Mas se um ano mais tarde passar por ti na rua e tu não falares comigo, e eu acreditar que um dia te dei um abraço e agora é assim que me tratas, estarei a mentir e a sofrer.

Eu amo-te. E recebo o amor que te dou no preciso momento em que o dou. Se tu decidires amar-me de volta ou não é irrelevante. Mas se eu te amo e fico à espera que me ames de volta, o que é que te dei a ti? Um presente envenenado. Um amor com uma etiqueta com preço.

Ontem estive com um homem destroçado. A esposa tinha-o abandonado. No mesmo mês, o seu melhor amigo morreu e não teve tempo de lhe devolver cinquenta mil euros que lhe tinha emprestado. E foi diagnosticado com um tumor no pâncreas.

Sentei-me ao lado dele a ouvir a sua história. Não o avisei de que eu sou um homem sem futuro. Sem objectivos nem expectativas. A vida sabe sempre o que é melhor para mim. Naquele momento o melhor para mim era ouvir um homem a queixar-se da vida. Delicioso. Fiz-lhe algumas perguntas. Mas fi-las a partir do coração. Não era minha intenção magoar o seu ego, nem interrogá-lo para o colocar no seu lugar. Fi-lo porque o sofrimento dele era o meu sofrimento: confusão mental.

Escolhes quem queres amar? E poderias ponderar a possibilidade de a tua ex-esposa ter o mesmo direito? Tu escolheste amar a tua ex-esposa, ela escolheu amar outro homem. Perfeito. Mas se enquanto a amaste esperavas um retorno, então nunca a amaste. Cobraste. Quanto é que custou o amor que lhe deste? Observa o teu sofrimento por ela amar outro. É esse o preço.

Emprestaste cinquenta mil euros a um amigo que agora está morto. Tens a certeza que emprestaste? É que o que eu observo é que tu lhe deste esse dinheiro. Como sei isso? Deste-o. No momento em que lhe deste o dinheiro, em que tinhas a disponibilidade financeira para o ajudar, como é que te sentiste? É bom saber que na altura te sentiste capaz, útil, amoroso, generoso. Ok, já recebeste. Ao dar o dinheiro recebeste algo de muito mais valioso: o amor que tens por ti. Mas enquanto acreditares que esse dinheiro era teu e tinha que voltar a ti, irás sofrer. E não serás capaz de amar o teu amigo que partiu. E não serás capaz de sentir o amor da vida para contigo. E não serás capaz de te amar. Dói.

Começas a compreender porque tens um cancro no pâncreas? Começas a ver o quanto estás à espera que os outros te amem? Se é assim tão fácil para os outros amarem-te, podes começar a dar o exemplo? Poderias começar a amar-te a ti mesmo?

Eu sei que recebo sempre da vida no momento em que dou. Quando odeio um politico, recebo de volta o ódio. Quem é que sente o ódio? Eu. Nunca se tratou dos outros, mas de mim.

Ofereci a uma querida amiga um curso de massagens. E recebi no momento em que o ofereci. O prazer de dar. Delicioso. Sem preço. Mas se um dia esta minha querida amiga se afastar, teria a coragem de cobrar-lhe a oferta? Nunca. Já recebi.

Proponho-te uma tarefa herculeana para as próximas quatro semanas: descobrir-te.

Acredito que na vida só há três tipos de negócios: os meus, os dos outros e os de Deus. Quando preciso que me ames, estou envolvido nos teus negócios. Quem tu amas é um negócio teu. Quando me preocupo com o estado de saúde do meu corpo estou nos negócios de Deus. Cuido do meu corpo, mas o seu estado não é um negócio meu. E quem é que se encontra a gerir os meus negócios quando eu estou envolvido nos teus ou nos de Deus? Ninguém.

O nosso maior medo é perder o controlo sobre as nossas vidas. Um pesadelo. Desde quando é que controlas o teu corpo? Sabes quais os químicos a produzir no cérebro para poderes respirar? Sabes quais os músculos que tens que contrair e relaxar, em perfeita sintonia, para respirares? E mesmo que saibas, quantas vezes ao dia é que dás ordens ao teu corpo para respirar? Nunca. O mesmo pode ser dito para qualquer parte do teu corpo. Acreditas mesmo que és tu quem anda? O que acontece quando as tuas pernas não andarem? Sofres. Tu não andas, és andado. As tuas pernas mexem-se sem que tu tenhas qualquer intervenção. Observa-te.
Acreditas que controlas as tuas finanças? Desde quando? Um minuto tens um bom emprego e és bem pago. No minuto seguinte estás desempregado e a viver na rua.

Mas a crença, mentira, de que tens controlo sobre a vida é a causa de todo o teu sofrimento. Em realidade passas a maior parte da tua vida envolvido nos negócios dos outros. Como os outros deveriam ser, como deveriam comportar-se, como deveriam amar-te. E ninguém para gerir os teus negócios. Os teus negócios são os pensamentos que surgem na tua mente. Questiona-os. Descobre a verdade.

Eu descobri que sempre que tenho um pensamento que é uma mentira, sofro. E quando tenho um pensamento que é verdade, fico em paz. Neste momento surge o pensamento “Odeio a chuva” e está a chover. Como sei que este pensamento é uma mentira? Está a chover. E eu estou à chuva. É óbvio que gosto da chuva, caso contrário ficaria em casa.

Então, meu querido amigo, nas próximas quatro semanas observa as vezes que te envolves nos negócios dos outros. Sempre que surgir um pensamento com um “deveria/não deveria” ou “preciso/não preciso” ou “tenho que/não tenho que” sei que estou nos negócios dos outros ou nos de Deus. Da próxima vez que pensares “A minha esposa deveria amar-me” poderias apenas observar-te a mentir? A tua esposa ama quem ela quer. Poderias amá-la a ela sem impor um retorno? Garanto-te que te sentirás muito melhor.

Escreve onde andas em conflito com a realidade. E descobre a verdade. A verdade é aquilo que é, e é sempre deliciosa.

Há algum tempo estava com o pai de um amigo meu, a conversarmos. De repente o homem pareceu estar a ter um AVC. A boca dele ficou torcida para um lado, os olhos em pânico. Ele olhou para mim, aterrado. E eu fiquei pasmado, quase em êxtase. Estava a ter a oportunidade de observar alguém a ter um AVC! Fiquei parado a observar, envolvido na experiência, a saborear cada momento. A dada altura o homem disse-me, em pânico e revoltado, “Não vai fazer nada, pois não?!” E eu disse-lhe a verdade: “não.”. Não havia necessidade de fazer nada porque não havia nada a fazer. Ele continuou a olhar para mim, enfurecido. E depois começou a rir-se. E eu ri-me com ele. E rimo-nos mais. E a sua cara voltou ao normal. E ambos descobrimos que tudo passa, até um AVC.

Mas poderias ser tu o nosso exemplo? Poderias tu começar a estar grato por receber no momento em que dás? Sem cobrar nada de volta? Experimenta. A minha experiência ensinou-me que é delicioso.

Bem-vindo a casa.