sábado, 16 de janeiro de 2016

A fantasia do mundo real


A mente é ensinada muito cedo que existe um mundo ideal onde todos são felizes e pacíficos e amorosos. Um mundo onde os animais se comportam como um Bambi do Walt Disney. Um verdadeiro jardim do éden onde, muito provavelmente, nos alimentamos da luz do sol e sorrimos o dia todo.
Neste mundo fantasiado pela mente os companheiros compreendem-nos e são felizes ao nosso lado o tempo todo. Por onde passamos deixamos um rasto de felicidade. Os nossos pais também são compreensivos e carinhosos e dão-nos tudo o que pedimos ainda antes de pedirmos.
É um mundo onde não há doenças e ninguém morre (excepto a vizinha que é má-língua e nunca deveria ter nascido, obviamente).

E depois há o mundo real, perfeito. Neste mundo real não fazemos a mínima ideia do que vai na cabeça do outro, e assustamo-nos. É um mundo onde pais acreditam que a violência funciona. Onde autoridade, poder, controlo e disciplina são sinónimos de medo. Onde amamos apenas quando os outros se comportam como nós queremos. Onde nações fazem guerra num estado de confusão.
Neste mundo há cadelas e gatas que comem as suas crias ao nascer. Leões comem os bambis incautos.

E temos então este conflito interno entre o mundo que nos ensinaram a idealizar e o mundo real.
Interpretamos então a negação do outro como algo de mau. A rejeição como algo cáustico. Os gritos como agressão. O silêncio como abandono.

Como gostarias de ser tratado quando estás mal, quando uma voz dentro de ti grita, quando alguém que te é querido parte, quando o patrão te despede ou um filho adoece?
E como tratas os outros quando estão mal?

Alguém que grita, que me acusa, que se fecha em silêncio ou que me diz “não” pode ser motivo para eu fazer guerra, ou para respeitar o estado de alma do outro. Insistir com a pessoa que nos diz “não” é desrespeitar essa pessoa. Querer que a pessoa em silêncio fale connosco é desrespeitar o outro. Querer que a pessoa que nos abandona regresse é não respeitar os gostos do outro.

Cada ser humano está a fazer o melhor que é capaz. A vida é dura. Quem afirma que a vida é fácil (e eu já acreditei) está a mentir. A vida é dura. Muito. E nesta dureza da vida só me restam duas opções: aceitar a vida que se apresenta ou lutar. Querer ter razão é uma aberração, é querer que a outra pessoa compreenda o que ainda não consegue compreender.

Sem um certo (mundo idealizado) e errado (mundo real), sem um bonito (mundo idealizado) e um feio (mundo real), e sem um bom (mundo idealizado) e um mau (mundo real), quem é que tu serias?

Serias quem és. Um ser humano perfeito a fazer o melhor que é capaz. Tal como todos nós.