sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Como viver no inferno em cinco passos fáceis

1. Começa por ver as falhas nos outros. Sobretudo toma nota nos defeitos daqueles que te estão mais próximos. E depois começa a procurar as falhas naqueles que te estão distantes e não conheces minimamente. No Papa, no Presidente da República, no jogador de futebol. A seguir, para mostrares que és um profissional, procura as falhas em grandes organizações ou países. Critica sem dó nem piedade. Fala abertamente dos teus preconceitos e faz de conta que conheces cada pessoa que criticas intimamente.

2. Aponta soluções para os problemas dos outros. Começa ao nível mais básico: a família. Depois, à medida que vais ganhando experiência, fala das soluções que tens para os problemas daqueles que não conheces, um actor, um politico, um líder religioso. A seguir, quando te sentires completamente cheio de respostas, fala das tuas soluções para os problemas de organizações, países e, porque não, as soluções para o planeta como um todo.

3. Acredita que tens sempre razão. Este passo irá garantir-te um inferno permanente. Mesmo que não saibas nada sobre o assunto, verbaliza a tua opinião e faz saber a todos que a tua opinião é a única viável. Excelente método para criar inimigos por onde quer que vás. Quando te sentires profissional serás capaz de manter a cabeça erguida, nariz empinado, dedo em riste e projectar a voz com mais decibéis que um Boeing 747 a levantar voo.

4. Mantém-te atento ao comportamento de todos e interpreta esse comportamento de maneira negativa. Este passo, para além de horas divertidas de terror, irá oferecer-te a possibilidade de ganhares uma depressão ou um tempo na cadeia ou hospital (e não poderás escolher a qual irás parar). A namorada não telefona: está com outro! A mãe esquece-se do teu aniversário: é fria e egoísta! O colega não reconhece o teu trabalho: é invejoso e arrogante! O filho tira uma negativa: é burro e preguiçoso! Estás parado no trânsito: os outros condutores são estafermos que não sabem utilizar transportes públicos nem sabem o importante que a estrada é para ti! E uma das favoritas de qualquer pessoa que adora chafurdar no seu inferno pessoal: há uma crise a todos os níveis, o que só pode significar que irás viver debaixo de uma ponte e os políticos estão a sugar-te cada tostão que ganhas (volta ao ponto 3 e observa-te a ter razão – delicioso viver no inferno, não é?).

5. Queixa-te de tudo a todos. Este passo é importante para assegurar que nunca terás um momento de alegria. Observa tudo o que está errado contigo, com o teu corpo, com os teus amigos, com o teu emprego, com o governo, e, porque não, com o próprio planeta! Sê profissional nas tuas queixas! Um queixinhas profissional faz questão de se queixar sempre ás pessoas erradas. Se tens um problema com um colega, queixa-te aos teus amigos. Se tens um problema com o teu cônjuge, queixa-te ao psicoterapeuta. Se tens um problema com um filho, queixa-te aos teus pais. Se tens um problema com a tua religião, queixa-te a um ateu. Escolhe a dedo as pessoas a quem te queixas para te certificares que nenhuma delas poderá ajudar-te a resolver a queixa.

6. Bónus: se estás mesmo decidido a viver o teu inferno pessoal, com diabinhos, fogo eterno, fome e pestilência, assume que és o centro do universo. Isto é relativamente fácil de conseguir: só tens que agir como se todos vivessem para te fazer a vida melhor.

E se queres viver no paraíso, os passos a seguir são muito mais fáceis!

1. Procura sempre algo de bom nos outros. Não te preocupes, há sempre algo de bom a observar. A tua colega “invejosa” sabe bastante de informática. O marido abraça-te quando te sentes abandonada. O filho sorri quando tudo parece um caos. A mãe ajuda-te quando não sabes o que fazer. Os amigos têm um telefone para te ouvir. Há sempre algo de amoroso em cada pessoa que observas. O Primeiro-ministro tem bom gosto no que toca a vestuário (se não gostaste de ler isto, volta ao #1 para viver no inferno), o Papa vive longe de ti, o planeta ainda rebola pelo universo. Tudo tão bom!

2. Decide que o que quer que seja que esteja a acontecer agora é o melhor para todos, mesmo que não compreendas de que maneira. Sempre que pensares num problema, diz a ti mesmo que a solução está já a acontecer, sem sequer saberes os “comos” nem os “porques”. Quando alguém te pedir ajuda para um problema, se nunca passaste pela mesma situação, diz a essa pessoa que não tens resposta. E se já passaste pela mesma situação, diz-lhe apenas o que tu fizeste sem insinuar que ela deve fazer o mesmo. Assim garantes que não te envolves nos assuntos alheios, que não te dizem respeito.

3. Assume que todo o mundo tem já uma opinião formada sobre tudo e todos. Escolhe o oposto: não sabes. A mente que nada sabe encontra-se sempre livre para experienciar cada momento tal como se apresenta. Mantém-te livre de todos os preconceitos afirmando a tua ignorância. A verdade é que nunca sabemos o que realmente está a acontecer na vida dos outros. E se alguém tentar insultar-te, dá-lhe razão. Provavelmente tem-na. Quando alguém te acusar de ser mesquinho, pondera antes de te defenderes. “Sou mesquinho... Deixa ver, és capaz de ter razão.” Não só desarmas a outra pessoa como crias um espaço onde a paz existe.

4. Desiste de querer saber porque motivo os outros são como são ou fazem o que fazem. Imagina-te um extra-terrestre a viver aqui, agora, pela primeira vez. Assombrado com tudo e deliciado com cada evento. O marido tarda em chegar a casa, que tal pensares “engraçado, ele está atrasado...” e não queiras fabricar o motivo do atraso, raramente saberás a verdade. Alguém fala mal de ti. “Curioso, aquela pessoa não me conhece... No problemo.” O namorado esquece-se do jantar de anos. “Delicioso, ele vive no seu mundo... tal como eu vivo no meu.”

5. Pára de te queixar. Este passo é relevante para viver em liberdade e paz. Já imaginaste se cada queixa tua é uma oportunidade da vida fazer algo melhor? A partir do momento que não sabes o que é melhor para os outros ou para ti, tudo o que acontece é perfeito. E descobrirás que quando estás com aqueles que para ti são importantes, sem te queixares, terás uma oportunidade de os ouvir a sério. Só ouvir! Nada de dar a tua opinião preconceituosa.

6. Bónus: acredita que cada pessoa nesta vida está sempre a fazer o melhor que é capaz de acordo com o seu nível de consciência. Torna-se assim tão fácil amar qualquer pessoa. E quando amas os outros, a vida reserva-te um prémio: o amor que sentes por ti aumenta até um nível em que não precisas do amor dos outros. Finalmente livre!

Uma pista que te leva direitinho ao paraiso: que tal parar de interpretar a realidade?... (Sobretudo de acordo com os teus pontos de vista do que é bom e mau, certo e errado).

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Torna-te moralista se queres ser vencido pela imoralidade

Estar presente no agora significa viver sem controlo e sabendo que as tuas necessidades são todas preenchidas agora. Para as pessoas cansadas de sofrer não há nada pior que acreditar que podem controlar a sua dor. Se queres ter controlo absoluto, deixa partir a ilusão do controlo. Deixa que a vida se experiencie através de ti. É isso que a vida irá fazer, quer tu gostes ou não. Cada momento é mágico, único, perfeito.

Tu não fazes o sol nascer, nem a lua brilhar, nem a chuva cair. Não tens qualquer controlo sobre os teus pulmões ou o teu coração, a tua audição ou as tuas pernas. Estás bem e saudável e no minuto seguinte não estás. E se acreditas na “lei da atracção” talvez ainda não tenhas aberto os olhos para a realidade. Sempre perfeita.

Sempre que procuras a segurança irás viver a tua vida a tentar ser extremamente cuidadoso e, assim, descobrir que não estás a viver de todo. Tudo existe para te nutrir. Lembro-me de umas palavras deliciosas da Katie: “Não tentes ser muito cuidadoso, podes magoar-te!”

Jamais serás capaz de aumentar a moral dos outros. As pessoas são quem são. E irão fazer o que irão fazer. Independentemente das tuas regras. Jamais conseguirás as pessoas a manterem-se sóbrias quando elas querem estar embriagadas, ou honestas quando querem mentir, ou bondosas quando querem fazer mal. Podes gritar “Isso não se faz” até ficares vermelho de raiva, e mesmo assim as pessoas irão sempre fazer o que quiserem fazer.

A única maneira de teres algum efeito sobre os outros é servindo como exemplo em vez de impor a tua vontade.

Os pais tentam impor a sua vontade sobre os filhos ensinando-lhes o que está bem e mal, mas os exemplos que dão são péssimos. Fingem entre si, discutem, acusam-se mutuamente, amuam, escondem os seus actos. E ensinam os filhos a mentir. Ensinam-lhes que a melhor forma de viverem todos juntos é vivendo uma parte da sua vida em segredo. No relacionamento entre pai e mãe os filhos têm o exemplo a seguir. Mas só 100% das vezes.

Dói muito acreditar que sabemos o que é melhor para os outros. Sejam eles os filhos, pais, amigos, colegas ou amantes. Irás falhar. Quando ensinas os outros a terem cuidado e a buscar a segurança estarás a ensinar-lhes ansiedade e dependência. Não funciona.

Mas quando és capaz de desfrutar cada momento, quando os outros são quem são e tu só podes sentir-te privilegiado por poder participar na vida dos outros, quando amas os outros sem impor qualquer condição, quando cada palavra é saboreada e cada olhar delicioso, estarás a dar o exemplo que a humanidade aguarda. Na presença de alguém que não consegue ver um problema ninguém consegue agarrar-se a um problema durante muito tempo.

Mas se a tua felicidade depende da felicidade dos teus filhos, ou dos teus amigos, ou dos teus colegas, irás fazer deles reféns. Poderias ser feliz sem precisar dos outros? É muito melhor e mais fácil. Chama-se a isto Amor Incondicional.

Muitas pessoas acreditam que descobriram o que é melhor para todos e tentam a todo o custo impingir a sua “verdade”. Todos conhecem a pessoa que sabe que uma dieta vegetariana é melhor, ou que o budismo é melhor, ou que o pensamento positivo é melhor, ou que dizer não ás drogas é melhor, ou que não ver televisão é melhor, ou que... Conheces alguém assim? Eu conheço: eu. Durante anos acreditava que a minha forma de estar na vida era a melhor. Um inferno. Depois descobri que tudo aquilo em que acreditava era mentira. E aos poucos fui-me libertando. E hoje sei que a minha forma de viver não é melhor que outra. Simplesmente deixei de exigir intermediários para estar de bem com a vida. Descobri que sempre que falamos de alguém é de nós que estamos a falar. Sem excepções.

Só há duas formas de viver. A amar cada momento, cada pessoa à nossa frente, cada lufada de ar, cada pedaço de vida. Ou a querer que a vida seja diferente daquilo que é, ou seja, em sofrimento. Imagina uma vida em que cada gesto teu é um acto de amor, em que o êxtase está presente, a alegria vibra em ti. É assim que sabes estar presente. Sem necessidade de mudar quem quer que seja. Sem necessidade de querer manipular quem quer que seja. Delicioso.

Como poderia eu dar conselhos aos outros se nunca saberei o que é melhor para eles? Só posso falar daquilo que é melhor para mim. Se aquilo que os outros fazem lhes proporciona felicidade, é isso que eu quero para eles. E se aquilo que os outros fazem lhes proporciona infelicidade, também é isso que eu quero para eles. Só assim eles aprenderão aquilo que eu jamais poderia ensinar.

Vivo a confiar totalmente que as pessoas serão quem são. Sem exigências. Confio em cada pessoa para ser quem ela é. Nunca fico desiludido. Delicioso.